Venda de veículos novos desaba no Brasil e registra queda de 76% em abril

Pandemia pode prejudicar desinvestimentos e atrapalhar redução de dívida da Petrobrás
STF reconhece Covid como acidente de trabalho

Segundo dados da Fenabrave, foram comercializados 55,7 mil unidades em todo País, no pior resultado mensal desde fevereiro de 1999

Cleide Silva, O Estado de S. Paulo

05 de maio de 2020 | 05h00

Com apenas 55,7 mil veículos novos vendidos em abril, o mercado brasileiro registrou o pior resultado mensal para o setor desde fevereiro de 1999. No mês passado, o primeiro completo de medidas restritivas por causa da pandemia do coronavírus, os negócios caíram 76% em relação a abril do ano passado e 66% ante março, quando começaram as limitações para indústria e comércio.
Nos primeiros quatro meses do ano, as vendas de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus caíram 27% na comparação com o mesmo período de 2019, com 613,8 mil unidades. “Voltamos aos números de 28 anos atrás; isso é de machucar”, diz o presidente da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave)Alarico Assumpção Júnior.

Setor negocia com Ministério da Economia concessão de linha de crédito. Foto: Felipe Rau/Estadão


Segundo ele, o baixo desempenho das vendas é resultado do fechamento das concessionárias, principalmente em São Paulo, que há um ano respondia por 26% do mercado de veículos no País. Em abril, essa participação foi de 0,9%. “Se essa situação se manter, cerca de 30% das revendas vão falir”, prevê. O setor contabiliza 7,3 mil lojas, incluindo as de motos e máquinas agrícolas.

Assumpção afirma que os concessionários têm condições de seguir todas as regras previstas para evitar a contaminação pelo coronavírus. Questionado se os consumidores não teriam receio de comprar automóveis nesse momento de incertezas, ele responde que, “com portas abertas será trabalho nosso buscar clientes”.

O executivo ressalta que, apesar dos esforços de todas as empresas para promover as vendas online, “o consumidor brasileiro ainda prefere ir à revenda, olhar e tocar no carro”.

Só o segmento de automóveis e comerciais leves teve queda de 77% nas vendas do mês passado ante o mesmo mês de 2019. No acumulado do ano a retração é de 27%.

Retrocesso

Ricardo Bacellar, responsável no Brasil pela área automotiva da consultoria KPMG, ressalta que, nos últimos dois meses, as vendas de veículos no País caíram 50%, mais do que em dois anos – entre 2014 e 2016, no auge da crise que levou ao impeachment da então presidente Dilma Rousseff, a queda foi de 30%.

A partir de 2017 o setor vinha se recuperando e esperava voltar à casa de 3 milhões de unidades vendidas, marca que alcançou pela última vez há cinco anos. Agora, executivos das montadoras preveem um mercado entre 25% e 40% inferior ao do ano passado, que teve vendas de 2,78 milhões de veículos. “Em dois meses o mercado passou a marca registrada no acumulado de dois anos”, afirma Bacellar.

Linha especial

O presidente da Fenabrave informa ainda que aguarda medidas urgentes de socorro ao setor automotivo, que opera sem liquidez. Juntamente com dirigentes das Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) e do Sindicato Nacional da Indústria de Componentes (Sindipeças), ele tem se reunido com representantes do Ministério da Economia, do BNDES e do setor financeiro público e privado para discutir uma linha de crédito especial.

“Precisamos de capital de giro para atravessar essa pandemia”, afirma Assumpção. Ele diz que o governo tem se sensibilizado com a situação e espera medidas em breve. O setor também reivindica postergação de pagamento de impostos federais e parcelamento dos débitos quando as empresas retomarem atividades.

Bacellar, da KPMG, também acredita que haverá convergência entre empresas e governo em relação a um programa de socorro. Ele lembra que a indústria automotiva como um todo respondeu por um terço da arrecadação dos impostos do governo federal em 2019 e emprega mais de 1 milhão de pessoas. “Ninguém tem interesse que o setor vá à bancarrota.”

Assumpção afirma que, por enquanto, as revendas estão mantendo os funcionários e a maioria delas adotou medidas previstas na MP 936, como redução de jornada e salários.

Se somar as vendas de motocicletas e máquinas agrícolas, a Fenabrave contabiliza 930,9 mil unidades vendidas de janeiro a abril, ante 1,244 milhão nos mesmos quatro meses de 2019. “Isso demonstra o resultado da chamada parada súbita de nossa economia e da inoperância da maior parte das concessionárias em decorrência da quarentena, decretada pelos Estados”, afirmou o executivo.

Retomada da produção. Algumas montadoras começam a retomar as atividades de forma parcial, assim como fabricantes de autopeças. Na semana passada voltaram a operar as fabricantes de caminhões e ônibus Scania e Volkswagen/MAN.

Na última segunda-feira, 4, foi a vez das montadoras de automóveis Renault e BMW e das marcas de caminhões DAF e Volvo (que também faz ônibus) reabrirem as fábricas.

Ao longo deste mês estão previstos os retornos de AudiFCA Fiat ChryslerHyundaiMercedes-BenzNissan e VolkswagenFordGeneral MotorsHondaJaguar Land RoverPSA Peugeot Citroën e Toyota marcaram a volta dos trabalhadores às linhas de montagem ao longo de junho.

Na próxima sexta-feira a Anfavea vai divulgar dados de produção – provavelmente os piores da história do setor, pois 63 das 65 fábricas do País estavam com as portas fechadas desde meados de março –, empregos e exportações.

Fonte: Estadão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sindicalize-se
Falar pelo WhatsApp
Enviar via WhatsApp