Trabalho no fim de semana terá nova regulamentação

Agronegócio vai ao STF contra tese da Justiça do Trabalho sobre terceirização
OAB quer acelerar correção da tabela do IR no Supremo

trabalhoO ministro do Trabalho, Manoel Dias, revogará nos próximos dias uma portaria da pasta que regulamenta o trabalho urbano e rural no fim de semana. A pedido de membros do Conselho Nacional de Relações do Trabalho, também proporá a criação de um grupo de trabalho que discuta novas regras sobre o assunto.

A portaria vigente (375/2014) foi editada há seis meses, mas gerou insatisfação, principalmente de entidades empresariais Confederação Nacional da Indústria (CNI) e Confederação da Agricultura e Pecuária (CNA). As entidades reconhecem a necessidade de revisão da norma, mas dizem que a nova portaria é burocrática e dificulta o processo de autorização que as empresas precisam cumprir junto ao Ministério do Trabalho para contratar empregados aos sábados e domingos.

Integrantes do conselho – formado por representantes de entidades empresariais, centrais sindicais e governo – pediram mais tempo para debater a nova portaria, alegando que não foram consultados na época em que foi editada a nrma vigente. “Queremos tornar mais ágil o mecanismo de autorização por parte do ministério, disse Cristiano Zaranza, coordenador da Comissão Nacional das Relações do Trabalho da CNA. “Uma das coisas que a gente quer é criar um mecanismo pelo qual as empresas não fiquem reféns da autorização do ministério.”

Segundo Zaranza, empresas e produtores rurais precisam que o ministério aceite com agilidade os pedidos de autorização para contratação de pessoal aos fins de semana, pois podem deixar de colher safras enquanto aguardam o aval da pasta.

A atual portaria sobre o tema, diz ele, prevê que empregadores com irregularidades no Ministério do Trabalho nos últimos cinco anos sejam submetidos a inspeção e fiquem proibidos de manter empregados aos fins de semana. “Não somos contra a inspeção, mas hoje faltam fiscais. Defendemos que o prazo seja menor que cinco anos e que o ministério crie prazo para realizar a inspeção, por exemplo”, disse Zaranza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sindicalize-se
Falar pelo WhatsApp
Enviar via WhatsApp