SindiQuímica-NI participa de audiência pública sobre segurança

Sindicato promove assembleia com trabalhadores da Work
SindiQuímica-NI oferece atendimento jurídico e assistência nas homologações

Os diretores do Sindicato dos Químicos de Nova Iguaçu (SindiQuímica-NI), Alex Sander Alves da Silva e Jorge Luiz Dos Santos,  participaram da audiência pública realizada pelo Conselho Municipal de Segurança Pública, Direitos Humanos e Cidadania de Nova Iguaçu (CONSEG-NI), Câmara Municipal da cidade, nesta quarta-feira (11/4).

Autoridades das esferas federal, estadual e municipal foram convidadas, totalizando mais de 40 agentes públicos. “O objetivo da audiência pública é apresentar o atual quadro da precária estrutura de trabalho das polícias bem como integrar esforços para que tenhamos em nossa cidade aqui mais ações positivas e eficazes no combate e prevenção a violência. Já sofremos com o “efeito UPP” e não queremos ver isso se repetir com esse processo de intervenção federal. Precisamos de um legado positivo e o caminho é somar esforços.”, explicou o presidente do CONSEG-NI, professor Jayme Soares.

“O município precisa dar a sua parcela de contribuição. Somos o único do estado que ainda não possui uma Guarda Municipal. O CONIG (Centro de Operações de Nova Iguaçu), continua fechado. Essas e outras medidas precisam se tornar prioridade pois a situação está insustentável. Nos tornamos reféns da violência e prisioneiros de nossos lares. É obrigação do poder público de todos os âmbitos, garantir o direito constitucional do cidadão de ir e vir.”, finalizou.

Segundo o presidente do SindiQuímica-NI, Sandoval Marques, o tema é de extrema importância. “Fomos convidados para estar nesta audiência, pois participamos do Conselho de Segurança. Estamos muito preocupados com os assaltos que estão ocorrendo nas portas das fábricas. O sindicato abraçou esta causa, pois tudo que envolve o trabalhador e, a cidade onde atuamos, interessa a todos nós. Buscamos contribuir com ideias, sugestões, que possam melhorar a situação do município”, concluiu.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sindicalize-se
Falar pelo WhatsApp
Enviar via WhatsApp