Sindicatos prometem greves mais fortes antes das eleições

Atendimento Odontológico na sede do SindiQuímica-NI é um sucesso
Montadoras têm semestre pior do que as expectativas

grevesindiCom a eliminação do Brasil, os sindicatos do país devem retomar as campanhas salariais, que provocaram paralisações dias antes da Copa, como a greve dos metroviários em São Paulo.

 “As negociações salariais e possíveis paralisações foram pausadas com a Copa, mas devem voltar a ocorrer antes do calendário eleitoral”, diz Miguel Torres, presidente da Força Sindical.

 Neste segundo semestre, categorias como bancários, petroleiros e metalúrgicos começam suas campanhas salariais e devem fazer greves nos próximos meses.

 Na semana que vem, dirigentes dos metalúrgicos de São Paulo (ligados à Força Sindical) se reúnem para definir a campanha salarial.

 José Maria de Almeida, candidato à Presidência pelo PSTU e um dos coordenadores da CSP (Central Sindical Popular) Conlutas, diz que novas paralisações devem ocorrer a partir de julho e que serão fortes.

 “Há insatisfação com salários, com serviços públicos oferecidos e com os gastos feitos com a Copa”, diz.

 O fato é que, com a inflação mais elevada, os trabalhadores têm mais dificuldade para repor as perdas no bolso.

 Por essa razão, a tendência é que as paralisações aumentem, avaliam economistas e sindicalistas.

 ANTECIPAÇÃO

 Além dos metalúrgicos, têxteis e comerciários de São Paulo devem antecipar a negociação com os patrões para evitar que o diálogo se arraste durante as eleições e prejudique as categorias.

 Mesmo categorias mais fragmentadas e sem tradição de greve, como os comerciários, discutem formas para fazer mobilizações.

Fonte: Claudia Rollide/São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sindicalize-se
Falar pelo WhatsApp
Enviar via WhatsApp