Sindicato pressiona e construtora paga dívida deixada por empresa terceirizada

As 6 regras do networking eficaz em eventos de trabalho
No Guia Trabalhista: “É obrigatória a homologação da rescisão do doméstico com mais de um ano?”

sindicato-terceirizadoUma denúncia levou a equipe 6 do Departamento de Segurança do Trabalho até a obra da Fundação Bradesco, na Tijuca, na quinta-feira (11 de setembro). Lá, 42 trabalhadores da empreiteira J Neto da Silva Armações Metálicas estavam sem o pagamento do salário de agosto.

Para piorar, os responsáveis pela terceirizada haviam desaparecido do canteiro depois de receber o pagamento da construtora principal, a Construcione Engenharia. Eles não atendiam nem mesmo às ligações, e o escritório estava fechado.

Junto aos cerca de cem trabalhadores do canteiro, o Sintraconst-Rio paralisou a obra exigindo o pagamento dos empregados da empreiteira. No dia seguinte (12 de setembro), a construtora principal pagou os salários dos 42 operários abandonados pela terceirizada.

“Além disso, estamos pressionando a Construcione Engenharia para que pague a rescisão de contrato dos trabalhadores da empreiteira”, conta José Carlos da Silva, um dos técnicos em segurança do trabalho do Sindicato.

O Sintraconst-Rio está atento a terceirizadas que deixam o empregado abandonado no canteiro de obra. Nessas situações, quem deve arcar com as despesas deixadas é a empresa responsável pela obra.

Para denunciar esses casos e outras irregularidades entre em contato com o Serviço de Atendimento ao Trabalhador (SAT) do Sindicato: 2196-1606 ou 2196-1607.

Fonte: Assessoria de Imprensa Sintraconst-Rio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sindicalize-se
Falar pelo WhatsApp
Enviar via WhatsApp