Plenário do Senado aprova indicação de Campos Neto para Banco Central

Programa de declaração do IR está disponível
Reforma de Previdência: sindicalistas avaliam protesto do dia 20 e fazem análise da proposta do governo

O Senado aprovou, nesta última terça-feira (26/2), a indicação do economista Roberto Campos Neto, para o cargo de presidente do Banco Central. Foram 55 votos favoráveis, seis contrários e uma abstenção. Campos Neto foi indicado pelo presidente Jair Bolsonaro e vai substituir Ilan Goldfajn.

Na mesma sessão, o Senado aprovou os nomes de Bruno Serra Fernandes para a Diretoria de Política Monetária e de João Manoel Pinho de Mello, que assumirá a Diretoria de Organização do Sistema Financeiro.

Campos Neto passou por sabatina na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, pela manhã, e teve o nome aprovado no colegiado, antes de ser votado no plenário. Na sabatina, o economista defendeu a autonomia do Banco Central, uma das metas do governo federal.

Para o economista, objetivo da autonomia é “aprimorar o arranjo institucional de política monetária para que ela dependa menos de pessoas e mais de regras, e para que estejamos alinhados à moderna literatura sobre o tema e aos melhores pares internacionais”.

Perfil

O novo presidente do Banco Central foi um dos formuladores da política econômica do governo e integrou a equipe do governo brasileiro que foi ao Fórum Econômico Mundial em Davos, na Suíça, em janeiro deste ano.

É neto do economista, diplomata e escritor Roberto Campos (1917-2001), defensor do liberalismo econômico.

Bacharel e mestre em economia pela Universidade da Califórnia, Campos Neto atuou nos bancos Bozano Simonsen e Santander por vários anos.

Fonte: Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sindicalize-se
Falar pelo WhatsApp
Enviar via WhatsApp