PL 4330: pressão sindical faz sessão na Câmara Federal ser adiada mais uma vez

Força Sindical Rio de Janeiro publica jornal com as principais notícias de agosto
Multa do artigo 477 da CLT é devida mesmo se discutida em juízo a existência da relação de emprego

IFPela terceira vez consecutiva, a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara Federal adia a votação do Projeto de Lei Nº 4330/2004 (o PL das Terceirizações) com a pressão das centrais sindicais unidas. Apesar do forte aparato da Polícia Federal, Polícia Militar e seguranças, impedindo que sindicalistas participassem da sessão, os dirigentes da Força RJ Marcelo Peres, Sandoval Marques, Marco Lagos (Marquinho da Força) e Dalmo Malheiros conseguiram furar o bloqueio e se somaram à manifestação que, assim, acabou tomando conta do salão onde estava prevista a realização da reunião. A bandeira da Força Sindical RJ foi erguida dentro do salão, em comemoração pela vitória dos sindicalistas fluminenses. E a sessão, que deveria começar às 14h do dia 3, foi adiada para as 10h do dia 4 (quarta-feira).

Vários líderes sindicais do Rio de Janeiro, como Sérgio Claudino e Jorge Farias (Federação dos Metalúrgicos); Sérgio Passareli, José Carlos e Antônio Carlos (Químicos, Magé); Isaac Wallace (Federação dos Químicos) e Otávio Fernandes (Sindicato dos Marceneiros), acabaram sendo barrados pela polícia. Junto a eles estavam Valdecir Marques e Luiz Carlos (Químicos, Itatiba, SP); Gilberto Soares, Marcelo Alves e Joel Blech (Químicos, Cosmópolis, SP), e o grupo continuou o protesto do lado de fora da Câmara Federal. Sindicalistas da Força Sindical RJ também visitaram vários gabinetes de parlamentares, pedindo voto contrário ao PL que regulamenta as terceirizações e precariza as relações trabalhistas no país.

Os sindicalistas tiveram apoio dos Gabinetes dos Deputados Federais Paulo Pereira da Silva (Paulinho da Força), Sergio Zveiter, Vítor Paulo e a participação direta do Deputado Glauber Braga (PSB/RJ).

As centrais sindicais pretendem se manter em vigília, em Brasília, até terem certeza de que o PL 4330 não será votado. Os trabalhadores permanecem acampados na Esplanada dos Ministérios.

Fonte: Assessoria de Imprensa Força Sindical RJ

Os comentários estão encerrados.

Sindicalize-se
Falar pelo WhatsApp
Enviar via WhatsApp