Petroleiros descumprem decisão do TST e iniciam greve de 72 horas

Diretoria divulga ações do SindiQuímica-NI para trabalhadores nas fábricas
Reforma Trabalhista: governo está inconformado com inclusão do Brasil em lista da OIT

Os petroleiros não acataram a decisão do Tribunal Superior do Trabalho (TST) e mantiveram a paralisação de 72 horas, iniciada à meia-noite de hoje. Em nota no site da Federação Única dos Petroleiros (FUP), o coordenador-geral da entidade, José Maria Rangel, disse que a a Justiça do Trabalho “está agindo como a justiça do capital”.

“O principal ponto que eles colocam é o fato da greve ser política. A primeira coisa que os ministros do TST tinham que se perguntar é como eles chegaram ao Tribunal. Foi através de indicação política”, disse Rangel, para quem o presidente da Petrobras, Pedro Parente, está “destruindo” a empresa. “Eles queriam que a gente visse o desmonte que a Petrobras está sofrendo e morrêssemos igual carneiro, com as lágrimas escorrendo? Nós não vamos fazer isso”, acrescentou Rangel.

Segundo o sindicalista, não vai haver a necessidade de impedir os petroleiros de entrarem nos locais de trabalho porque “eles não vão trabalhar, pois sabem o que está acontecendo dentro da Petrobras”.

Ontem à noite, a ministra Maria de Assis Calsing, do TST, proibiu a greve dos petroleiros e estipulou multa de R$ 500 mil por dia em caso de descumprimento.

Fonte: Rafael Rosas (Valor)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sindicalize-se
Falar pelo WhatsApp
Enviar via WhatsApp