Para 89%, cloroquina contra covid-19 é decisão de médicos não de políticos

Obesidade é o principal fator de risco nas vítimas com menos de 60 anos
Congresso deve ampliar auxílio emergencial e aprovar ajuda para empresas

Para 7%, políticos podem indicar uso

Dados são de levantamento DataFolha

Bolsonaro e Trump são apoiadores


O presidente Jair Bolsonaro segura uma caixa de cloroquina em reunião do G20


Levantamento DataFolha mostra que 89% dos brasileiros acham que os médicos é quem devem decidir sobre o uso da cloroquina no tratamento de pacientes com covid-19, não os políticos. Outros 7% acham melhor os políticos incentivarem o uso do remédio e 4% dizem não saber responder. A pesquisa foi divulgada nesta 2ª feira (20.abr.2020) pelo jornal Folha de S.Paulo.

 


O levantamento mostra ainda que o apoio para que políticos incentivem o uso da cloroquina sobe entre os que querem acabar com o isolamento social (15%). Entre os que acham que Bolsonaro agiu bem ao demitir Luiz Henrique Mandetta do Ministério da Saúde o apoio é de 18%.

O Ministério da Saúde indica que somente pacientes hospitalizados com quadros graves de Covid-19 sejam tratados com cloroquina ou hidroxicloroquina.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) informa que ainda não há cura para a doença causada pelo novo coronavírus. Apesar disso, autoridades já se manifestaram a favor do uso da cloroquina. Entre as mais famosas, está o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e do Brasil, Jair Bolsonaro. Os 2 já afirmaram que o medicamento tem chances reais de combaterem o vírus.

Em março, Bolsonaro levou uma caixa do remédio para uma reunião do G20 –grupo de países mais ricos do mundo. De acordo com o presidente, o medicamento “está dando certo em tudo quanto é lugar”.

A cloroquina é 1 anti-inflamatório e anti-viral. Atualmente no Brasil é usada no tratamento de malária, artrite, reumatoide e lúpus. Não há comprovação conclusiva sobre sua eficácia para a covid-19. Um estudo brasileiro de médicos do Prevent Senior, ainda em fase inicial, teria mostrado eficácia no tratamento de suspeito de doenças, mas ele é duramente criticado por outros cientistas.

Em março, quando o presidente Bolsonaro começou a apoiar o uso do remédio no tratamento da covid-19 e pediu ao Exército para aumentar a produção do medicamento, a procura pela cloroquina nas farmácias aumentou tanto que o Ministério da Saúde precisou pedir para as pessoas não estocassem o remédio.

Fonte: Poder 360

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sindicalize-se
Falar pelo WhatsApp
Enviar via WhatsApp