Operários de refinaria e petroquímica decidem manter greve em Suape – PE

Inflação prejudica renda dos trabalhadores
Inadimplência do consumidor no Brasil sobe 11% em julho, diz Serasa

greveOs trabalhadores da Refinaria Abreu e Lima e da Petroquímica de Suape decidiram pela continuidade da greve, em assembleia realizada na manhã desta segunda (11). Eles não aceitaram a proposta do sindicato patronal, que era de 8% de aumento salarial e um acréscimo de R$ 20 na cesta básica. Os funcionários ligados ao Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Construção de Estradas, Pavimentação e Obras de Terraplanagem em Geral (Sintepav-PE) estão sem trabalhar desde a última quinta (7).

A categoria reivindica 13% de aumento salarial. Eles também pedem que o valor da cesta básica, que hoje é de R$ 310, passe para R$ 408 mensais, além de um adicional de 30% na periculosidade. A proposta do Sindicato Nacional da Indústria da Construção Pesada (Sinicon), ligado aos patrões, era de que a cesta básica ficasse no valor de R$ 330. A reunião aconteceu no portão Leste da Refinaria Abreu e Lima. Outra assembleia está marcada para a terça (12), no mesmo local, para discutir o rumo da greve.

Segundo o coordenador de fiscalização do Sintepav, Lodelson Bastos, cerca de 30 mil trabalhadores estão de braços cruzados. “Os trabalhadores foram discutir hoje para ver se aceitaríamos ou não a proposta dos patrões. Antes eles tinham oferecido 7,5% de aumento salarial, mas a categoria recusou. Agora eles deram mais 0,5%, e foi recusado novamente. Antes eles tinham dado R$ 10 de aumento na cesta básica e colocaram mais R$ 10, só que a categoria quer mais”, explica.

A assessoria de comunicação da Petrobras informou ao G1 que, até o momento, permanece com o posicionamento inicial e que, “depois de normalizadas as atividades, a Petrobras tomará as medidas necessárias de forma que não ocorram impactos na partida da Refinaria”. Até o momento de publicação deste texto, o Sinicon não atendeu as ligações da reportagem.

Na sexta (8), de acordo com o Sintepav, apenas o efetivo mínimo para serviços essenciais estava trabalhando. O Sinicon, no entanto, informou que dos 32 mil trabalhadores que atuam no local, 40% compareceram ao trabalho.

Fonte: Portal do G1/PE

Foto: Arquivo Sintepav-PE

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sindicalize-se
Falar pelo WhatsApp
Enviar via WhatsApp