Nova Central apoia Greve Geral e pede engajamento dos filiados

Atestado de trabalhador não precisa trazer CID da doença
Químicos em SP discutem a reforma da previdência e seus impactos da reforma trabalhista.

A Greve Geral de 14 de junho recebe apoio de diversas categorias e entidades. A mais recente manifestação vem da Nova Central Sindical de Trabalhadores, que publicou Nota chamando todas as entidades filiadas a se empenhar na organização da paralisação.

O presidente da Central, José Calixto Ramos, concedeu entrevista à Agência Sindical. Ele informa que as entidades de base já atuam ativamente rumo à Greve.

Calixto Ramos afirma: “A grande arbitrariedade que as entidades enfrentam com o corte nos recursos de custeio, que asfixiou os Sindicatos, e os seguidos ataques aos direitos dos trabalhadores geraram forte descontentamento. A sociedade toda está sendo atingida. Nesse contexto, a Greve Geral é uma reação natural”.

Para o presidente da Nova Central, é preciso buscar a adesão da população. “Precisamos parar não só o transporte, mas também setores da indústria e comércio. O ideal é que nenhum trabalhador saia de casa no dia 14 de junho”, comenta.

José Calixto Ramos, um dos mais experientes sindicalistas brasileiros, chama atenção para o caráter pacífico da luta dos trabalhadores. Ele adianta: “Precisamos fazer um movimento ordeiro, uma Greve pura e limpa, que mostre o repúdio da população à reforma da Previdência, às mudanças nas leis trabalhistas e à perda de direitos”.

Desemprego – Além de defender as aposentadorias, os organizadores  da paralisação em 14 de junho chamam atenção para o aumento do desemprego. Cartaz unitário das Centrais, massificado nas redes sociais, conclama à Greve, com destaque para palavras de ordem ligadas ao desemprego e contra o fim das aposentadorias.

CNM/CUT – Paulo Cayres, reeleito presidente da Confederação Nacional dos Metalúrgicos da CUT, quarta (22), durante o 10º Congresso Nacional da categoria, falou à Agência Sindical. Ele destaca o empenho na construção da Greve Geral. “Em 14 de junho, os metalúrgicos atuarão em todo o País, parando fábricas e mostrando repúdio à reforma da Previdência”, assegura o sindicalista.

Mais informações: www.ncst.org.br  www.cnmcut.org.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sindicalize-se
Falar pelo WhatsApp
Enviar via WhatsApp