Mês de outubro: Mês de conscientização aos perigos do câncer de mama.

Montadoras mergulham na tecnologia
Em GO, R$ 1,3 bi em projetos de etanol estão ameaçados

UM TRABALHO CONSTANTE DE CONSCIENTIZAÇÃO

O mês de outubro já é conhecido mundialmente como um mês marcado por ações afirmativas relacionadas à prevenção e diagnóstico precoce do câncer de mama. O movimento, conhecido como Outubro Rosa, é celebrado anualmente desde os anos 90.

O objetivo da campanha é compartilhar informações sobre o câncer de mama e, mais recentemente, câncer do colo do útero, promovendo a conscientização sobre as doenças, proporcionando maior acesso aos serviços de diagnóstico e contribuindo para a redução da mortalidade.

O nome da campanha remete à cor do laço que é um símbolo internacional usado por indivíduos, empresas e organizações na luta e prevenção do câncer de mama. É por esse motivo que durante esse mês a cor rosa ilumina a fachada de diversas instituições públicas e privadas iluminam suas fachadas com objetivo promover indicar a adesão ao movimento.

O diagnóstico precoce ainda é o maior aliado para o tratamento eficaz do câncer de mama. Quando identificado cedo pode ser tratado, impedindo que o tumor alcance outros órgãos.

OS RISCOS DE INFORMAÇÕES FALSAS

Preocupados com a disseminação de informações equivocadas divulgadas no YouTube, a Comissão Nacional de Mamografia divulgou na segunda-feira (15) uma nota de alerta.

Em parceria, a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), o Colégio Brasileiro de Radiologia (CBR) e a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) alegaram se verem no dever de publicar um “esclarecimento em resposta a vídeos publicados recentemente na mídia eletrônica (YouTube), que disseminam de maneira irresponsável informações distorcidas sobre a detecção e diagnóstico do câncer de mama”.

O comunicado explica que, sendo a principal causa de morte por tumor no mundo, o câncer de mama é o mais frequente entre os tipos de tumores desenvolvidos entre as mulheres. E que, no Brasil, devido a “falta de programas de rastreamento adequados ou a baixa adesão da população aos programas oferecidos”, a mortalidade por este tipo de câncer continua aumentando.

A IMPORTÂNCIA DA MAMOGRAFIA

No comunicado é enfatizado que a mamografia é o único exame com eficácia comprovada na redução da mortalidade, quando realizado sistematicamente em mulheres assintomáticas na faixa etária a partir dos 40 anos.

Há também um alerta quanto a eficácia do autoexame como método de rastreamento, por este ser capaz de detectar o tumor apenas “quando o mesmo já está em uma fase adianta, não tendo estudo que comprove qualquer benefício para a redução da mortalidade”.

SOBRE OS RISCOS À SAÚDE

Outros pontos que a nota buscou esclarecer foram os relacionados ao risco de desenvolver câncer justamente por causa dos procedimentos de examinação. “O risco de câncer radioinduzido é extremamente baixo, tendo em consideração as doses de radiação envolvidas em cada exame. E não existe estudo que demonstre que os riscos excedem os benefícios, na faixa etária recomendada”.

As entidades apontam ainda que a “citação de absurdos como ‘uma biópsia leva a desenvolver câncer’ foge a compreensão de qualquer médico com um mínimo de conhecimento na área oncológica”.

A nota finaliza com a Comissão reforçando sua revolta com a disseminação de tais vídeos, que podem induzir muitas mulheres a desconsiderar a realização da mamografia.

“Isso pode significar a perda da chance de detectar o tumor de mama em uma fase inicial, em que se pode oferecer a possibilidade de cura e tratamentos menos agressivos”, conclui.

Fonte Parcial: Revista Cláudia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sindicalize-se
Falar pelo WhatsApp
Enviar via WhatsApp