Governo quer renovar suspensão de contrato e redução de jornada por 4 meses

Estudo com 7,5 mi de pessoas mostra que vacina de Oxford é eficaz em idosos
NOVIDADES no atendimento médico na clínica CIMENI

Pretende aliviar empresas na pandemia

Trabalhador terá 11 meses de “proteção”

Renovação do programa pode dar “proteção” ao trabalhador até janeiro de 2021, quando a vacinação em massa já estiver disseminada no país. Na foto, a Rodoviária do Plano Piloto, em BrasíliaSérgio Lima/Poder360 – 14.jun.2020


01.mar.2021 (segunda-feira) – 20h25

O governo federal prepara a renovação do Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda em 2021. Chamado de “Bem”, o novo projeto deve permitir acordos individuais e suspensão de contrato por até 4 meses. A intenção é publicar o texto ainda em março.

Caso entre em vigor, a empresa poderá aderir ao programa imediatamente, realizando os acordos com os funcionários. Os trabalhadores com carteira assinada terão o direito de continuar na empresa por período igual ao da suspensão do respectivo contrato. Ou seja, se o empregado for demitido depois desse período, terá até 3 meses de seguro-desemprego. Resumo:

  • 4 meses de emprego garantido;
  • 4 meses de estabilidade pós-programa emergencial;
  • 3 meses de seguro-desemprego (em caso de demissão);
  • total: 11 meses

Acima, o quadro ao qual o Poder360 teve acesso e que detalha como será o programa

 

Em 2020, os trabalhadores beneficiados pelo programa receberam compensação do governo, que em alguns casos chegou ao valor total do que ganhariam de seguro-desemprego se tivessem sido demitidos.

Atualmente, o funcionário tem direito a até 5 meses de seguro-desemprego depois de demissão sem justa causa. Para o governo, é melhor pagar uma quantia ao trabalhador e mantê-lo empregado do que distribuir o recurso quando ele ficar desempregado.

O governo avalia que a retomada do programa permitirá um “colchão de segurança” para os trabalhadores formais até janeiro de 2022 (11 meses). Até lá, é esperado que a vacinação em massa seja uma realidade no país.

Criada em abril de 2020, a iniciativa permitiu a realização de 20,1 milhões de acordos, abrangendo 9,8 milhões de trabalhadores. Do gasto estimado de R$ 51,55 bilhões, o Tesouro Nacional desembolsou R$ 33,5 bilhões. A sobra (R$ 18 bilhões), porém, não pode ser utilizada agora porque o orçamento de guerra para o enfrentamento da pandemia terminou em 31 de dezembro de 2020.

O governo pretende usar recursos do FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador), responsável pelo custeio do seguro-desemprego e do abono salarial, para custear o programa.

Outro caminho seria financiar a iniciativa por meio de crédito extraordinário, com a aprovação da PEC (proposta de emenda à Constituição) emergencial, que está sendo debatida no Senado.

Para facilitar politicamente a tramitação da PEC, a equipe econômica acertou com a cúpula do Congresso e enviará via MP (medida provisória) esse projeto.

MP tem poder e lei e entra em vigor a partir do momento da sua publicação, com validade de até 120 dias. Para continuar a valer depois desse prazo precisa de aprovação da Câmara e do Senado.

A 1ª versão do Bem foi bem avaliada pelos empresários, pelas centrais sindicais e por muitos operadores políticos. Agora, em 2021, a ideia é replicar a medida para evitar o agravamento do desemprego.

Fonte: Poder 360

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sindicalize-se
Falar pelo WhatsApp
Enviar via WhatsApp