Governo estuda reduzir e estender auxílio emergencial até o fim de 2020

TRT3 – Empresa Correios é condenada a indenizar ex-empregada que foi vítima de assalto
Reabrir escolas em meio a pandemia pode desencadear onda de greves de professores no mundo, diz pesquisador

Foto: Leonardo Sá/Agência Senado

O governo estuda estender o auxílio emergencial, destinado a trabalhadores informais, desempregados e beneficiários do Bolsa Família, até o fim de 2020, segundo informações do Estadão.

Desde abril R$ 254,4 bilhões já foram destinados para o pagamento do auxílio emergencial de R$ 600, num total de cinco parcelas (de abril a agosto). Por mês o valor está em R$ 51,5 bilhões. Todos os gastos do governo para combater a pandemia e seus efeitos estão sendo bancados com o aumento do endividamento do País.

A ideia é substituição do auxílio emergencial pelo programa Renda Brasil, que substituirá o Bolsa Família, mas por enquanto não há condições de prever quando o governo conseguirá tirar o programa do papel.

Apoio

Um dos impactos da continuidade do auxílio emergencial, conforme apontou o Estadão, é a manutenção de uma base de apoio a Jair Bolsonaro, principalmente nos Estados do Norte e Nordeste.

Pesquisas apontam que foi Bolsonaro quem mais se beneficiou politicamente com o pagamento do auxílio emergencial , para o eleitor o que fica é que o dinheiro entrou na conta, foi pago pela Caixa Econômica Federal, portanto, pelo presidente.

O auxílio emergencial foi criado em abril, por meio de uma lei aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada por Bolsonaro. A previsão inicial era que o auxílio fosse pago por três meses, mas a lei deu a possibilidade de prorrogação do benefício.

O texto enviado pelo governo ao Congresso previa que o auxílio fosse de R$ 200, mas o texto aprovado pelo Congresso passou o valor da parcela para R$ 600.

Com informações de Estadão

Os comentários estão encerrados.

Sindicalize-se
Falar pelo WhatsApp
Enviar via WhatsApp