Governo altera mais NR de segurança do trabalho, incluindo exames para algumas categorias

Cinco das principais centrais propõem cancelar manifestações do dia 18
Conselho Nacional de Saúde quer revogação da EC 95 para frear coronavírus

O governo anunciou a revisão de 3 das principais NR (normas regulamentadoras) sobre o mercado de trabalho. A nova redação foi assinada, nesta quarta-feira (11), pelo secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Bianco. A nova versão das NR devem ser publicadas no Diário Oficial da União nos próximos dias. No portal Terra

bruno-bianco-sept-me-nrBruno Bianco, secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia | Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom | Agência Brasil | Estadão

As mudanças, segundo a pasta, foram aprovadas por unanimidade pelos trabalhadores e empregadores que integram a CTPP (Comissão Tripartite Paritária Permanente). Segundo o ministério, a medida moderniza, simplifica e harmoniza as medidas a serem adotadas pelos empregadores, além de reduzir procedimentos burocráticos.

Leia também:
Portaria 1.068 altera NR-3, que trata de embargos e interdições em locais de trabalho

NR: alterações não simplificarão; flexibilizarão garantias

Comissão Tripartite faz mudanças em normas de segurança e saúde no trabalho

Normas regulamentadoras sob ameaça de flexibilização ou extinção

Em nota pública, auditores do trabalho questionam “simplificação” das NR

Governo quer desregulamentar segurança e saúde no trabalho

Sinait: desregulamentação da segurança e saúde no trabalho

Segurança no Trabalho: NR-12 ganha novas regras para micro e pequenas empresas do setor de alimentos

NR: luta pela manutenção faz parte da agenda sindical

Mesmo com as mudanças, a segurança e a saúde dos trabalhadores está garantida, afirma o assessor da Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia, Rômulo Machado. As mudanças entram em vigor em um ano, para que haja tempo de adaptação.

Nessa etapa, foram alteradas a NR 1, sobre disposições gerais e gerenciamento de riscos ocupacionais; a NR 7, sobre o programa de controle médico de saúde ocupacional; e a NR 9, sobre avaliação e controle das exposições ocupacionais a agentes físicos, químicos e biológicos.

NR 7 e 9
As mudanças nas NR 7 e 9 visam atualizar, segundo o governo, as medidas para monitoramento da saúde do trabalhador e valerão para exames complementares necessários para algumas atividades — não haverá alteração em relação aos exames admissionais, demissionais e periódicos.

A partir da mudança da norma, somente exames que avaliem questões de saúde relacionadas ao trabalho exercido pelo empregado serão exigidos, reduzindo custos das empresas.

O governo também vai publicar anexos com protocolos de medidas de prevenção a serem adotados por empregadores em caso de riscos ocupacionais como exposição à poeira, substâncias químicas cancerígenas, radiação ionizante e condições hiperbáricas.

Segundo Rômulo Machado, o governo não reduziu a necessidade de exames nem a periodicidade, mas considerou o avanço da tecnologia para rever protocolos antigos.

Um dos exemplos é a realização de raio-x, que, para alguns casos, era realizado anualmente ou a cada dois anos. A partir do plano de gerenciamento de riscos, o exame poderá ser feito a cada cinco anos, dependendo do nível de exposição do trabalhador.

Exames complementares realizados para verificar indicadores biológicos de exposição, hoje feitos a cada seis meses, poderão ser realizados com maior ou menor periodicidade, dependendo do caso.

Essa exposição é verificada por meio de análise de sangue e urina do trabalhador — como a exposição a níveis elevados de benzeno (substância química presente na gasolina) ou a monóxido de carbono (fumaça). No caso dos indicadores biológicos monitorados, com a atualização das normas, eles passam de 26 para 52.

“Não houve supressão de exames. Mantivemos o que já existe, mas modernizamos e atualizamos parâmetros. Também definimos um espaçamento razoável para cada exame”, disse Machado.

No caso de exames complementares, o governo também incluiu a possibilidade de que o médico aceite, no exame admissional, os exames realizados no demissional, caso eles tenham sido feitos nos últimos 90 dias. Caberá a cada médico a decisão sobre aceitar ou não os exames.

NR 1
Em relação à NR 1, o governo incluiu um capítulo sobre gerenciamento de riscos ocupacionais, centralizando em uma única norma a gestão de riscos que integram as outras NR — como acidentes de trabalho e choques elétricos, por exemplo.

Cada segmento da economia deverá elaborar um plano de gestão de riscos de acordo com as novas diretrizes. O Ministério da Economia lançará ferramentas em seu portal para ajudar micro e pequenas empresas, além de microempreendedores individuais.

A ideia é ampliar a autonomia das empresas para que elas selecionem ferramentas e técnicas de avaliação adequadas para cada risco ou circunstância. Os empregadores também deverão avaliar medidas de prevenção e elaborar de planos de ação, sistematizando o tratamento para todas as situações de risco.

Empresas com certificação em sistema de gestão de segurança e saúde no trabalho poderão fazer a revisão do PGR a cada 2 ou 3 anos. Pela norma atualmente em vigor, os empregadores precisam renovar o PPRA (Programa de Prevenção de Riscos Ambientais) todo ano.

Desde o início do ano passado, o governo já reviu 12 NR — 1, 3, 7, 9, 12, 13, 15, 16, 18, 20, 24 e 28 — e revogou 2 — 2 e 27. O próximo passo é atualizar as NR 4,5, 17, 31 e 32. O País tem, ao todo, 35 NR.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sindicalize-se
Falar pelo WhatsApp
Enviar via WhatsApp