Enviarão estudo de Piso Regional do RJ para Comissão

Parlamentares querem votar veto este ano
Lei obriga detalhamento de impostos

O presidente da Comissão de Trabalho, Legislação Social e Seguridade Social da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), deputado Ricardo Abrão (PDT), reuniu-se, nesta sexta-feira (07/12), com representantes do setor patronal, para dar seguimento às discussões em relação ao reajuste do piso salarial do estado. De acordo com o parlamentar, o bom senso deverá ser a principal arma na busca pelo acordo. “Cada setor tem uma reivindicação e o papel da comissão é ouvir os envolvidos e intermediar a questão. As centrais dos trabalhadores vão nos enviar uma proposta, de acordo com suas necessidades, e os empregadores farão o mesmo. A partir disso, vamos sentar para procurar um avanço”, anunciou. O projeto de lei com o piso para 2013 será enviado à Casa pelo Governo estadual em data a ser definida.

“Acredito no êxito dessa questão. Nossa meta é avançar mais um pouco, para que os trabalhadores tenham uma vida melhor. As centrais sindicais querem um aumento maior e uma redução das faixas salariais. Obviamente, quando há essa redução, há também um ganho real”, explicou o parlamentar. De acordo com Abrão, os trabalhadores querem um aumento de 20,2% e o governador Sérgio Cabral deve acompanhar o piso sugerido pelo Governo federal, com um aumento de 8,5% para o próximo ano. Segundo representantes do setor patronal, existem imperfeições nas faixas atuais (são nove ao todo) que precisam ser reavaliadas, mas, para isso, garantem, é preciso um estudo mais profundo, impossível de ser realizado este ano.

“Temos a necessidade de reestruturar essas faixas, pois elas estão desatualizadas. Os próprios empregados se colocaram à disposição para sentarmos e formularmos os novos níveis de salário”, comentou o diretor-secretário da Federação do Comércio do Estado do Rio (Fecomercio-RJ), Natan Schiper. Em 2012, a Alerj aprovou, em fevereiro, a Lei 6.163, que reajustou os vencimentos de todas as faixas de trabalhadores e incluiu, entre elas, classes não contempladas antes, tais como turismólogo, esteticista e depilador, entre outros. Os trabalhadores, que se reuniram com a Comissão de Trabalho da Alerj na última quarta-feira (05/12), pretendem reduzir para cinco os níveis salariais, agrupando as classes técnicas em uma única faixa.

Também estiveram no encontro desta sexta representantes das federações das Indústrias do Estado (Firjan) e das Empresas de Transportes de Passageiros (Fetranspor) e da Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ).

Fonte: ALERJ

Os comentários estão encerrados.

Sindicalize-se
Falar pelo WhatsApp
Enviar via WhatsApp