Em ano eleitoral, bancos antecipam suas captações

Semana mais curta, mas não menos intensa no Congresso
Copa vira chamariz para temporada de greves por reajustes

bancosInteressados em aumentar a liquidez em um ano que promete ser mais turbulento por causa das eleições, os bancos estão acelerando a captação de recursos por meio da emissão de títulos de renda fixa. O plano é antecipar as operações por causa da realização da Copa do Mundo e da campanha eleitoral.

O estoque dos principais papéis de renda fixa emitidos pelas instituições financeiras encerrou o mês passado em R$ 1,16 trilhão, uma expansão de 18,5% quando comparado ao volume existente em março de 2013. Levantamento feito pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais considera, nessa conta, Certificados de Depósito Bancário, Letras Financeiras, Depósitos a Prazo com Garantia Especial e Letras de Crédito Imobiliário. São papéis que respondem por cerca de 90% do estoque de títulos bancários.

A iniciativa não é uma aposta no crescimento das operações de crédito neste ano. O Banco Central acredita que o volume de empréstimos avançará 13% em 2014. Apesar disso, o esforço de captação dos bancos é explicado por outros motivos, segundo executivos do setor ouvidos pelo Valor.

“Os bancos estão montando uma posição de maior liquidez. Sabem que o dinheiro mais caro é aquele que você precisa, então, preferem montar uma reserva agora”, diz Antonio Oliveira, diretor de mercado de capitais do HSBC. Essa é a estratégia, principalmente, de bancos de menor porte, os mais afetados em períodos de turbulência.

Segundo Norberto Zaiet, vice-presidente de finanças do Banco Pine, há um movimento de expansão contínua das captações. “Temos mantido uma liquidez importante no balanço. Nos sentimos confortáveis em manter 30% de depósitos em caixa, mas temos deixado ao redor de 40% a 45%”, informou.

Além do esforço de captação, há mudanças no portfólio dos produtos oferecidos ao mercado. As instituições estão privilegiando as vendas locais de papéis em detrimento das externas. A razão é o custo: fazer isso no Brasil é mais barato.

Fonte: Carolina Mandl e Fabiana Lopes | De São Paulo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sindicalize-se
Falar pelo WhatsApp
Enviar via WhatsApp