Dólar abre negociações do dia em queda, perdendo patamar de R$ 5,80

Presidente vai ampliar lista de essenciais
Para o Supremo, covid-19 é necessariamente doença ocupacional. Será?

Moeda americana possui valorização de mais de 40% somente em 2020

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de maio de 2020 | 09h06

dólar abriu as negociações em queda de quase 0,5%, cotado a R$ 5,79, perdendo o patamar de R$ 5,80. Na última segunda-feira, 11, o pregão se encerrou com a cotação a R$ 5,82.

Dólar Foto: Reuters


A valorização do câmbio em 2020 é superior a 45%. No início do ano, a moeda dos Estados Unidos estava cotada em um valor próximo a R$ 4. Apenas a partir de março que houve uma forte depreciação do real frente ao dólar, mês em que, pela primeira vez, ultrapassou, nominalmente, a cotação de R$ 5.

Nas casas de câmbio, de acordo com levantamento do Estadão/Broadcast, os valores do dólar turismo variam entre R$ 5,91 e R$ 6,03.

Mercados internacionais

Após os mercados internacionais terem desempenhos positivos em meio ao relaxamento de medidas de isolamento social em países da Europa e da Ásia, as Bolsas de ambos os continentes têm um dia mais estressante nas cotações nesta terça-feira, 12, com a Ásia em queda e Europa abrindo com recuo e se recuperando ao longo do pregão, por conta de uma possível nova onda de contaminações nas duas regiões, que haviam registrado queda nos novos casos do novo coronavírus, causador da covid-19.

Cenário local

O rumo dos negócios no dia deve depender ainda das preocupações com o cenário político e com a piora da atividade interna, que tende a ser confirmada pela queda recorde esperada no volume de Serviços em março no País. As primeiras prévias de maio do IGP-M (-0,32%) e do IPC-Fipe (-0,40%), divulgadas mais cedo, corroboram as expectativas de contração da economia pelos efeitos do isolamento social decorrente da pandemia de covid-19.

Os agentes do mercado estão olhando ainda a ata do Copom. No documento, o Banco Central  eitera a intenção de promover novo corte da Selic (a taxa básica de juros) em junho, de até 0,75 ponto porcentual. Ao mesmo tempo, o BC ressaltou que os próximos passos da política monetária dependerão do andamento da pandemia do novo coronavírus. Na semana passada, o Copom reduziu a Selic em 0,75 ponto porcentual, de 3,75% para 3,00% ao ano – menor nível histórico.

Fonte: Estadão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sindicalize-se
Falar pelo WhatsApp
Enviar via WhatsApp