Começa operação das Forças Armadas para combater desmatamento na Amazônia

Reabertura econômica e possível nova onda de infecções na Ásia ditam mercados internacionais
Em tempo de pandemia, sindicatos voltam a ser valorizados por trabalhadores

Alertas de desmate cresceram 55%

Bolsonaro autorizou operação de GLO

Ação inicia-se no PA, no MT e em RO

Triunfo do Xingu, no Estado do Pará, em 19 de setembro de 2019


DOUGLAS RODRIGUES
11.maio.2020 (segunda-feira) – 5h50
atualizado: 11.maio.2020 (segunda-feira) – 6h37

As Forças Armadas enviam a partir desta 2ª feira (11.mai.2020) tropas para combater o desmatamento e os focos de incêndio na Amazônia Legal. A operação de GLO (Garantia da Lei e da Ordem) foi autorizada pelo presidente Jair Bolsonaro na última 4ª feira (6.mai.2020).

Batizada de Operação Verde Brasil 2, a GLO começará em 3 Estados: Pará, Rondônia e Mato Grosso. Depois, deverá ser estendida para as demais regiões. As ações irão até 10 de junho. O período de atuação poderá ser ampliada a pedido dos governadores. Quem coordena o trabalho é o vice-presidente Hamilton Mourão.

É o 2º ano consecutivo que o governo federal recorre aos militares para esse tipo de trabalho. Desta vez, a diferença em relação a 2019 é grande. No último ano, só em 23 de agosto as Forças Armadas foram acionadas.

No 1ª ano de gestão Bolsonaro, o aumento de queimadas e desmatamento na Amazônia repercutiu negativamente no Brasil e no exterior. De agosto de 2018 a julho de 2019, a área desmatada foi de 9.762 km² , a maior desde 2008. Foi 1 aumento de 29,5% em relação ao mesmo período do ano anterior (agosto de 2017 a julho de 2018), segundo dados do Prodes (Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite) divulgados pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais).

Agora, a ideia é evitar as encrencas de 1 ano atrás. Será 1 desafio. Os alertas de desmatamento na floresta saltaram 64% em abril de 2020, na comparação mês do ano passado, segundo o sistema Deter (Detecção de Desmatamento em Tempo Real), do Inpe, que serve para embasar ações de fiscalização. No acumulado de janeiro a abril, o crescimento foi de 55% em relação ao ano passado.

 

Segundo o decreto de GLO, os militares atuarão em ações preventivas e repressivas na faixa de fronteira, terras indígenas, unidades federais de conservação ambiental e em outras áreas federais da Amazônia legal.

Na avaliação do governo, a partir de agosto de 2019, quando foi decretada a presença de militares na região, houve uma diminuição no ritmo de corte de árvores e as queimadas criminosas.

As missões de GLO são realizadas quando há esgotamento das forças tradicionais de fiscalização. Tradicionalmente, esse combate é executado por órgãos ambientais como o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis).

Defensores do meio ambiente alegam que as Forças Armadas não podem substituir permanentemente o trabalho de agências ambientais, que nos últimos anos vem sofrendo com desfalques nos quadros de servidores.

Para Luiza Lima, do Greenpeace, o governo Bolsonaro promove inúmeras mensagens que estimulam a destruição da floresta.

“Enviar as tropas da GLO para uma temporada na Amazônia não deve fechar as feridas que o próprio governo está obstinado em abrir. Ao mesmo tempo, ao militarizar o comando das ações ambientais, a estratégia segue sendo a de rebaixar a autonomia dos órgãos que têm essa função de Estado”, disse.

A última GLO na Amazônia, batizada de Operação Verde Brasil, durou de agosto a outubro de 2019. Foram mobilizados 9.747 pessoas, ao custo de R$ 124,5 milhões (íntegra – 421 kb).

A quantia é maior do que o todo o orçamento gasto pelo Ibama com fiscalização e combate a incêndios durante o ano de 2019: R$117,6 milhões.

ÍNTEGRA

Além de Bolsonaro, assinam o decreto, de nº 10.341, os ministro: André Mendonça (Justiça e Segurança Pública), Fernando Azevedo e Silva (Defesa), Ricardo Salles (Meio Ambiente) e Augusto Heleno (GSI).

Eis a íntegra (464KB):

https://static.poder360.com.br/2020/05/dou-desmatamento.pdf

 

Fonte:Poder360

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sindicalize-se
Falar pelo WhatsApp
Enviar via WhatsApp