Cesta básica mais barata em 14 cidades

Custo de vida aumentou 0,24% em setembro
Mesa de entendimento busca regularizar canteiro em Campo Grande

CESTABASICAEm setembro, 14 das 18 capitais em que o DIEESE realiza mensalmente a Pesquisa Nacional da Cesta Básica apresentaram queda no preço do conjunto de gêneros alimentícios essenciais. As retrações mais significativas foram registradas em Aracaju (-5,36%), Brasília (-3,61%) e Vitória (-2,74%). As altas ocorreram em Belo Horizonte (1,87%), Curitiba (0,66%), Campo Grande (0,48%) e Recife (0,02%).

Apesar do recuo de 2,37% ocorrido no último mês, São Paulo, continuou a ser a capital com o maior valor (R$ 312,07) para os gêneros alimentícios de primeira necessidade. Porto Alegre registrou o segundo maior custo, com (R$ 311,34), seguido por Manaus (R$ 304,33) e Vitória (R$ 301,55). Os menores valores médios foram observados em Aracaju (R$ 220,68), Salvador (R$ 256,16) e Goiânia (R$ 257,99).

Com base no custo apurado para a cesta de São Paulo, e levando em consideração a determinação constitucional que estabelece que o salário mínimo deve suprir as despesas de um trabalhador e sua família com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, o DIEESE estima mensalmente o valor do salário mínimo necessário. Em setembro deste ano, o menor salário pago deveria ser de R$ 2.621,70 ou seja, 3,87 vezes o mínimo em vigor, de R$ 678,00. Em agosto, o mínimo necessário era maior e equivalia a R$ 2.685,47 ou 3,96 vezes o piso vigente. Em setembro de 2012, o valor necessário para atender às despesas de uma família chegava a R$ 2.616,41, o que representava 4,21 vezes o mínimo de então (R$ 622,00).

Acesse aqui o conjunto de tabelas divulgadas

Os comentários estão encerrados.

Sindicalize-se
Falar pelo WhatsApp
Enviar via WhatsApp