Central faz protesto em São Paulo pela correção da tabela do IR e pela política de valorização do mínimo

“Mutirão” arquiva 944 pedidos de registro sindical irregulares.
Aposentados da Varig esperam decisão do STF

forçaA Força Sindical protestou nesta última terça-feira (11/3), em frente a sede do Banco do Brasil, em São Paulo, contra a atitude do ministro da Fazenda Guido Mantega de se reunir com os maiores empresários do País e não fazer o mesmo com os trabalhadores. Eles assaram sardinhas e distribuíram abacaxis.

“Enquanto governo e empresários banqueteiam, o povo come sardinha e ficam sempre com o abacaxi. Não conversar com os trabalhadores é um crime que o governo está cometendo. Exigimos tratamento igual”, declara João Carlos Gonçalves, Juruna, secretário-geral da Força Sindical. Os trabalhadores querem a manutenção da política do salário mínimo, que beneficia toda a sociedade.

O almoço com os empresários estava previsto para hoje, em São Paulo, no prédio do Banco do Brasil, mas foi transferido para amanhã (12), em Brasília.

O ato da Central faz parte da preparação da manifestação que a Força Sindical e as demais centrais farão no dia 9 de abril, em São Paulo na defesa da pauta trabalhista, que inclui a redução da jornada para 40 horas semanais, fim do fator previdenciário e também da terceirização.

No ato de hoje, os sindicalistas também reivindicaram a correção da tabela do Imposto de Renda e a aprovação de um projeto de lei para manter a política de valorização do salário mínimo.

 O diretor do Sindicato dos Metalúrgicos SP Roberto Sargento disse que o povo não está satisfeito com a política econômica. Já Célio Ferreira Malta, diretor do Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos, destacou que para pagar imposto o trabalhador serve, mas para o grande banquete não é convidado.

Carlucio da Rocha, diretor da Fetiasp (Federação dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação SP), ressaltou que o governo tira o dinheiro dos aposentados e dá para os empresários colocando os trabalhadores em último plano.

 “Não admitimos que um governo que diz ter vindo da classe operária, não atenda os trabalhadores”, afirma Valéria Cabral, diretor do Sindicato das Costureiras de SP.

 Helena Guilherme, diretora da Federação dos Empregados de Refeições Coletivas, observou que quando recebe aumento de salário o trabalhador fica feliz faz planos para adquirir os bens que sempre sonhou. Mas, logo vem a frustração porque o aumento de salário é engolido pelo impostos. “O governo precisa criar vergonha na cara e corrigir a tabela logo”, diz.

 Claudio Prado, diretor da Força Sindical-SP observa que, além destes temas, também é necessário debater a eliminação de postos de trabalho na indústria. “Devemos é chamar o Mantega (Guido Mantega, ministro da Fazenda) para comer sardinha”, declara Nelson Cardim, Xepa, diretor do Sindicato dos Metalúrgicos SP.

 Jorge Carlos de Morais, Arakém, secretário-geral do Sindicato dos Metalúrgicos SP, destaca a importância de realizar manifestações para cobrar do governo nossas reivindicações.

Fonte: Força Sindical/ Foto: Jaélcio Santana

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sindicalize-se
Falar pelo WhatsApp
Enviar via WhatsApp