Centrais Sindicais entregam documento com demandas para o Governo

Drauzio Varella: Brasil só começará a conter a pandemia em setembro
Terminam hoje inscrições para o Sisu

No fim da tarde desta quarta-feira (8), em Brasília, após o ato das centrais sindicais, os dirigentes da Força Sindical, CUT, UGT, CSB e NCST entregaram documento elaborado pelo Fórum das Centrais Sindicais, com propostas para a preservação da vida, emprego e renda, e uma agenda de retomada da economia no Ministério da Economia.

 

O documento foi entregue aos secretários de Previdência e Trabalho Bruno Bianco Leal, e do Trabalho Bruno Dalcolmo que, de acordo com o presidente da Força Sindical, Miguel Torres, eles se comprometeram a estudar o documento, que traz propostas para resolver os problemas econômicos e sociais enfrentados pelo país que foram agravados pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

O sindicalista ressaltou que uma das propostas é manter o auxílio emergencial de R$ 600,00 (R$ 1.200,00 para mães chefes de família), aprovado pelo Congresso Nacional, até o mês de dezembro. A Lei previa o pagamento de três parcelas. No final de junho, o governo decidiu pagar mais duas parcelas. “Ressaltamos a importância de mantermos os empregos e a renda neste período de pandemia”, afirmou Torres.

Durante o ato na manhã desta quarta, ainda do lado de fora do Ministério da Economia o presidente da CUT, Sérgio Nobre, defendeu que o benefício seja permanente. “Precisamos de um programa de renda emergencial enquanto durar a pandemia, porque não tem emprego agora. Parte importante da população está vulnerável e precisa do auxílio para poder sobreviver”.

Segundo o representante da CSB, Flávio Werneck, que compareceu ao encontro, a reunião começou tensa pois o secretário alega que as denúncias internacionais contra o governo dificultam o diálogo com os representantes dos trabalhadores. O representante do Ministério da Economia disse que o governo não pretende manter o auxílio emergencial de R$ 600 até dezembro devido as restrições fiscais e que não cogitam emissão monetária para isso.

Os representantes das centrais argumentaram que se o governo abrir uma mesa de diálogo para solucionar os problemas que envolvem a proteção dos trabalhadores, novas propostas podem ser trazidas.

De acordo com os sindicalistas, os secretários se comprometeram a marcar uma nova reunião com todas as centrais para discutir as propostas apresentadas pelas centrais. “Eles se mostraram dispostos a dialogar com o movimento sindical”.

As centrais também levaram ao ministério o drama dos trabalhadores em aplicativos de entregas, que fizeram paralisação nacional no dia 1° de julho, por condições mais justas de trabalho e já marcaram outra paralisação para o dia 25 porque não tiveram resposta alguma das empresas.

Fonte: Radio Peao

Os comentários estão encerrados.

Sindicalize-se
Falar pelo WhatsApp
Enviar via WhatsApp