Centrais apressam a liberação do pagamento de renda emergencial

Medicamentos contra a covid-19 poderão ser liberados pela Anvisa em até 72 horas
Entidades da Alimentação buscam garantir saúde, empregos e mercado interno

O Projeto de Lei 9.236/17, aprovado pela Câmara e Senado, garante auxílio emergencial de R$ 600,00 a R$ 1.200,00 por três meses a trabalhadores autônomos, informais e sem renda fixa. Agora, só falta Bolsonaro sancionar e regulamentar rapidamente para o auxílio ser pago

paga-logo-bozo
Preocupadas com a situação de trabalhadores informais e de baixa renda, durante a pandemia do coronavírus, as Centrais Sindicais lançaram a campanha “Paga Logo Bolsonaro” #QuemTemFomeTemPressa

 

Miguel Torres, presidente da Força Sindical, defende que o recurso chegue de maneira rápida. “O Congresso Nacional fez sua parte. Agora depende do governo. Pague logo Bolsonaro, os trabalhadores estão precisando com urgência desse auxílio”, afirma.

Segundo Sérgio Nobre, presidente da CUT, quem tem fome tem pressa. “Não podemos ter burocracia e o beneficiado demore 30 dias pra receber o dinheiro”, diz. Por isso, segundo o presidente da Central, “é importante que os Sindicatos se engajem pra esclarecer dúvidas sobre quem tem direito e como acessar o benefício”.

19472-miguel-boneco-579-prs-768x510
“Os trabalhadores precisam com urgência desse auxílio – Foto: Jaélcio Santana

 

Segundo Nobre, a aprovação na Câmara foi uma vitória importante do movimento sindical para proteger trabalhadores informais. “Dia 17, entregamos esse projeto ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e fizemos um trabalho importante, dialogando com os partidos. Pra nossa felicidade, deu resultado e o projeto foi aprovado por unanimidade”, conta Sérgio.

Foco – Agora, os sindicalistas miram os trabalhadores formais. O cutista informa: “Precisamos proteger quem têm Carteira assinada, porque as empresas estão parando. São micro e pequenas que não têm condições de manter os salários, porque estão sem faturamento”.

sergionobre
Precisamos proteger quem têm Carteira assinada/ Foto: Roberto Parizotti/CUT

 

Os sindicalistas reivindicam linha de crédito do governo a fundo perdido. “Não é empréstimo. É crédito pra que pequenas e médias empresas possam manter a folha de pagamento por três meses, com a contrapartida de não demitir ninguém”, o dirigente da CUT.

Fonte: Rede Brasil Atual

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sindicalize-se
Falar pelo WhatsApp
Enviar via WhatsApp