Braga Netto confirma que Nelson Teich participará de coletiva nesta 4ª

Alemanha e Reino Unido iniciam testes clínicos para vacina contra o coronavírus
Valores descontados indevidamente do seu Salário? Sabia que você pode recupera-lo?

É a 1ª vez que o ministro participa

Há muitas questões em aberto

Posse de Nelson Teich foi no Planalto, nesta 6ª feira. O novo ministro pediu maior integração aos outros ministérios


MAURÍCIO FERRO
22.abr.2020 (quarta-feira) – 13h26

Uma semana depois de ser escolhido como novo ministro da Saúde, Nelson Teich vai participar de sua 1ª entrevista coletiva nesta 4ª feira (22.abr.2020), às 17h, no Palácio do Planalto. A informação é do ministro Braga Netto (Casa Civil). Ele falou a repórteres –dentre os quais o jornalista do Poder360– no refeitório do próprio Planalto.

De acordo com Braga Netto, Teich não estava concedendo as entrevistas por ter tomado posse há poucos dias. A partir de agora, começará a participar, se assim desejar. Cabe ao próprio Teich a decisão, segundo o chefe da Casa Civil.

Desde que tomou posse, Teich adotou o silêncio –e há uma série de perguntas em aberto. O ministro deve ser questionado sobre seu posicionamento em relação à realização de manifestações (que causam aglomerações), bem como sobre a participação do presidente Jair Bolsonaro nesses atos, como foi no último fim de semana.

O ministro também deve ser perguntado sobre a composição da pasta. O general Eduardo Pazuello é cotado para assumir a secretaria-executiva da pasta, o 2ª cargo mais alto da Saúde. Pazuello seria o responsável pela “gestão”, enquanto Teich assumiria posição mais “técnica”.

Os 2 se reuniram na última 3ª feira (21.abr). O militar já circula no Palácio do Planalto e discute sobre a pandemia da covid-19 (doença causada pelo novo coronavírus) com integrantes do 1º escalão do governo. A autonomia de Teich para montar sua equipe será questionada.

Outro ponto em aberto é o posicionamento do novo ministro sobre isolamento social. Ainda não está claro se Teich recomendará a mesma posição defendida por Bolsonaro –de abertura do comércio– ou se manterá a linha defendida pelo ex-ministro Luiz Henrique Mandetta por mais restrições.

Até o momento, Teich defendeu reiteradas vezes a ampliação dos dados disponíveis sobre a doença, como forma de “mapear” os problemas e propor soluções.

Durante o final de semana, ele participou de reunião com outros ministros da Saúde de países integrantes do G20 –grupo formado pelas 20 maiores economias do mundo. Na ocasião, elogiou o trabalho da OMS (Organização Mundial da Saúde) no combate à doença.

Fonte: Poder 360

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sindicalize-se
Falar pelo WhatsApp
Enviar via WhatsApp