Após ‘compasso de espera’ na pandemia, McDonald’s acelera abertura de lojas em 2021

Covid levou quase 40 mil trabalhadores formais a pedir auxílio-doença em 2020
Com pandemia, dobram denúncias por falta de cuidados com a saúde dos funcionários

Investimento da Arcos Dorados, empresa que administra rede na América Latina, será de até US$ 130 milhões (R$ 690 milhões); região pode receber até 50 novas lojas, sendo 80% no País

Fernando Scheller, O Estado de S.Paulo

22 de janeiro de 2021 | 07h00

Depois de paralisar investimentos por causa da pandemia de covid-19, a Arcos Dorados, empresa que administra a rede McDonald’s na América Latina e no Caribe, deve voltar a colocar o pé no acelerador neste ano, apesar da nova onda de covid-19. A companhia pretende investir até US$ 130 milhões (o equivalente a R$ 690 milhões) na região, para a abertura de até 50 novos restaurantes, sendo 80% deles no Brasil. Os recursos também contemplam o reforço de segmentos vitais durante o período de fechamento das lojas: o drive-thru, o delivery e o app da rede.

Segundo Paulo Camargo, presidente da Arcos Dorados no Brasil, o trabalho nas vendas fora dos restaurantes que já vinha sendo feito a partir de 2018 ajudou a reduzir o impacto da pandemia para a rede. No ano passado, as operações do McDonald’s no Brasil tiveram um faturamento equivalente a 78% do registrado em 2019 – um ano recorde para a companhia. No quarto trimestre, a companhia viu suas vendas no País chegarem perto da marca de 90% da vista no mesmo período do ano anterior.

McDonald’s

McDonald’s vê muito espaço para novas unidades nas capitais brasileiras, principalmente em São Paulo. Foto: Werther Santana/Estadão

Dos 1.030 restaurantes que a rede possui hoje no Brasil, 60% são lojas da própria Arcos Dorados. Os 40% restantes estão nas mãos de um grupo de 66 subfranqueados. De acordo com Camargo, esses parceiros devem ser priorizados na abertura de novos pontos de venda, o que praticamente elimina a possibilidade de que novos investidores entrem na operação local. O executivo afirma que a concentração de lojas no Brasil ainda é pequena e que há espaço para unidades em capitais, incluindo São Paulo.

Drive-thru e delivery

Uma das preocupações do McDonald’s, especialmente após a pandemia, é fazer crescer o consumo que se dá fora dos salões de seus restaurantes. Isso porque, no momento dos lockdowns, as vendas pelo drive-thru chegaram a ser a principal fonte de receita da companhia. Ao longo de 2020, esse tipo de venda teve alta de 50%, enquanto o delivery disparou 150%, mas a partir de uma base mais baixa. Segundo o executivo da Arcos Dorados, para ampliar o faturamento do drive-thru, a rede já planeja unidades com três vias de atendimento para carros.

Ao longo dos últimos anos, o McDonald’s também ampliou sua atuação digital – o app da rede tem hoje 46 milhões de usuários. É uma forma de ganhar força entre o público jovem, de acordo com o presidente da Arcos Dorados, um segmento também perseguido pelo Burger King, principal rival da líder do setor de fast-food no País. “Hoje praticamente metade das nossas vendas tem algum tipo de conexão digital com o cliente. Por isso, o que chamamos de 3Ds (digital, delivery e drive-thru) vão pautar a nossa estratégia nos anos de 2021 e 2022″, diz Camargo.

Fonte: Estadão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sindicalize-se
Falar pelo WhatsApp
Enviar via WhatsApp