Acesso das mulheres à aposentadoria é dificultada pela “divisão social do trabalho”, diz pesquisadora do Ipea

Diretoria do Sindicato participa de reunião na Central da Força Sindical RJ em prol da greve geral do dia 14 de Junho.
Greve Geral dia 14 ganha apoio dos trabalhadores em transporte

Se a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 6/19, do governo Bolsonaro, que trata da reforma da Previdência for aprovada no Congresso tal como foi formatada, as mulheres serão as mais prejudicadas. Esta foi a constatação feita na audiência pública desta terça-feira (28), na comissão especial, que debateu a questão da aposentadoria das mulheres.

mulheres reforma da previdencia pec 6

Audiência pública sobre a aposentadoria das mulheres. Pesquisadora no Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Joana Mostafá | Foto: Pablo Valadares | Câmara dos Deputados

Pela proposta do governo, as mulheres serão as mais prejudicadas na hora de se aposentarem. Mesmo diminuindo a idade mínima de aposentadoria de 65 para 62 anos, a reforma continua penalizando-a. Segundo dados de 2016 da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), 34,6% das mulheres jovens abandonaram o emprego para cuidar da família. Com isso, não terão tempo de contribuição necessária para ter acesso ao benefício da aposentadoria.

Caso a diferença de papéis sociais e as discriminações para as mulheres continuarem no mercado de trabalho prejudicarão, ainda mais, a conquista da aposentadoria. São as primeiras a serem demitidas, salários menores, jornada tripla de trabalho, oportunidade desigual, maternidade e ausência de companheiros nas tarefas domésticas e na educação dos filhos. Isto é, a divisão social do trabalho impacta mais as mulheres que os homens para acesso ao trabalho e à aposentadoria.

“A divisão social do trabalho dificulta o acesso ao trabalho e, por consequência, à aposentadoria das mulheres”, chamou a atenção a pesquisadora do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Joana Mostafá. “Divisão social do trabalho são convenções de gênero que separam e hierarquizam o trabalho de mulheres e homens”, explicou.

“Um índice internacional que sai todo ano, feito pelo World Economic Forum, que se chama Global Gender Gap Report, que faz um ranking de todos os países, a partir de uma medida sintética de vários indicadores, para comparar os países em relação ao gap de gênero, à desigualdade de gênero. O Brasil, representado pela barra vermelha [gráfico], vindo do mais igual ao mais desigual, está no número 95 em 149 países”, apresentou a pesquisadora.

A desigualdade está piorando desde 2014, de acordo com esse índice. E, no ritmo dos últimos anos desse índice, “nós só chegaríamos ao nível da Noruega, por exemplo, que é um país notório em termos de igualdade de gênero, em 62 anos, e chegaríamos à paridade de gênero, ou seja, a igualdade entre homens e mulheres, em 116 anos”, enfatizou Mostafá.

A divisão social do trabalho impacta nos indicadores de mercado de trabalho. A taxa de participação das mulheres é muito menor. “A taxa de desemprego deles [homens] é 10% no 4º trimestre de 2018, e das mulheres é 13,4%”, mostrou a pesquisadora. E acrescentou: “Parece pouco, mas é uma diferença brutal, são 35% a mais”.

Os salários são 29% menores, em média. “Ocupamos somente 39% dos cargos de gerência. Tudo isso é dado do IBGE. E somos muito empreendedoras. Esse também é um dado muito interessante de se olhar e ninguém nunca olha, o Global Entrepreneurship Monitor, que também sai todos os anos mostra que o Brasil é muito empreendedor. As mulheres são muito empreendedoras, tanto quanto os homens. Isso é bem diferente em vários outros países. No entanto, qual é a diferença entre nós e os homens?”, pontificou.

Demografia
Os aspectos demográficos foram abordados pela professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Denise Lobato Gentil. “Para contrabalançar o efeito demográfico, qual é a conclusão a que se chega?”, perguntou a professora.

“Era necessário o País ter um crescimento da produtividade de apenas 0,7% ao ano, o que é algo absolutamente factível”, enfatizou Denise Gentil. Isso, segundo a professora da UFRJ, iria manter o equilíbrio entre a oferta e a demanda e as condições de envelhecimento absolutamente sob controle.

“Bastava que o Brasil tivesse um crescimento. Não é preciso empobrecer as mulheres, não é preciso condenar os negros e as negras à ausência do benefício. Não era preciso fazer tudo isso que está sendo feito se houvesse uma política mínima de crescimento econômico neste País e uma política industrial mínima que assegurasse 0,77% do crescimento da produtividade”, ponderou. A base de dados é toda do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

 

Fonte: DIAP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sindicalize-se
Falar pelo WhatsApp
Enviar via WhatsApp