Confira o artigo ‘E a luta continua…’ do presidente da Força Sindical

No último dia 24 lideranças das centrais sindicais decidiram, em reunião realizada na sede da Força Sindical, em São Paulo, realizar uma Greve Nacional no dia 5 de dezembro contra a reforma da Previdência e em defesa dos direitos da classe trabalhadora. Sabíamos das dificuldades que enfrentaríamos devido ao tempo escasso para a organização do evento – a reforma seria votada no dia 6 –, mas estávamos empenhados em levar o movimento adiante dada a gravidade da proposta do governo e seus efeitos nefastos, que afetariam todos os brasileiros.

Como o governo, na última hora, resolveu adiar a votação da reforma, sem, no entanto, desistir da ideia, as centrais, ante o adiamento, resolveram também adiar a Greve Nacional para próximo de quando uma nova data for marcada para a votação. Assim, teremos tempo hábil para fazer um movimento muito mais abrangente sem parar de, nesse intervalo de tempo, intensificar as ações, os protestos e a mobilização do conjunto de trabalhadores.

Temos de nos manter firmes na defesa dos direitos que nos querem suprimir. Articular nossas ações, chamar para o nosso lado os setores organizados da sociedade, pressionar os parlamentares no Congresso Nacional e nas suas bases de atuação, realizar encontros, debates, assembleias e atos são passos fundamentais para que alcancemos nossos intentos, que são a preservação dos empregos, a garantia dos nossos direitos duramente conquistados, a igualdade de oportunidades e a construção de um Brasil mais solidário, mais humano, mais justo socialmente e igualitário, entre outras demandas.

A luta não pode parar! Ela tem de ser ainda mais fortalecida! O governo logo voltará à carga para sanar o vermelho de seus cofres à custa do sacrifício desumano que pretende impor à classe trabalhadora, e temos de estar vigilantes e preparados para, se necessário, pararmos o Brasil em nome da democracia, da justiça e bem-estar do povo brasileiro.

Nossa união e capacidade de mobilização são as principais chaves para o nosso sucesso. A luta não pode parar!

Paulo Pereira da Silva – Paulinho
Presidente da Força Sindical e deputado federal

Além disso, verifique

Meirelles: proposta de reforma da Previdência não está aberta a negociações

O adiamento, para fevereiro, da votação da reforma da Previdência, não implica a reabertura de negociações …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Powered by keepvid themefull earn money